[/accordion]

Vila Olímpica de Manaus

 

A Vila Olímpica de Manaus foi criada em 1970, no Governo de Danilo Duarte de Mattos Areosa (1968-1972), por meio do Decreto Nº 1947/1970, em virtude da necessidade de ser construído, na cidade de Manaus, um complexo esportivo constituído de conjuntos destinados à prática de todas as modalidades esportivas.

Os primeiros passos para a criação foram dados com a edificação do Estádio Vivaldo Lima, e sua efetiva construção foi iniciada em 1976, no Governo de Henoch da Silva Reis, pela Construtora SM Indústria e Comércio. Em 1978, as obras sofreram uma paralisação que perdurou por dez anos, sendo reiniciada no Governo de Amazonino Mendes (1987-1990), pela Construtora Comagi, com parcerias da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e da Caixa Econômica Federal.

Inaugurada oficialmente no dia 25 de março de 1990, pelo então Governador Amazonino Mendes, a Vila Olímpica veio concretizar um sonho de várias gerações de desportistas amazonenses que sempre desejaram um Centro de Treinamento de Alto Nível, além de incentivar e contribuir de maneira decisiva para o desenvolvimento do esporte amador amazonense, por meio de programas de iniciação esportiva e de rendimento, de realização de atividades comunitárias e da Escola de Desporto Especial.

Constituída de conjuntos destinados à prática de todas as modalidades de esportes, a Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Areosa Mattos possui sob sua administração, a Vila Olímpica Humberto Calderaro Filho; os ginásios de esportes Renée Monteiro e Elias Assayag (no município de Parintins); a Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira e a Arena da Amazônia Vivaldo Lima; os estádios Carlos Zamith (Coroado) e Ismael Benigno (Colina), além das demais áreas desportivas construídas ou que venham a ser construídas pelo Governo do Estado.

Atualmente, a média de atendimento aos atletas e comunitários é de 5.000 usuários/mês, além da realização de competições oficiais das entidades de Administração Estadual do Desporto.

Dirigente: Aly Jorge Almeida – Diretor-Presidente.

Missão: Incentivar os programas desenvolvidos no complexo desportivo, ginásios de esportes e nas áreas desportivas sob sua administração, bem como zelar pelo patrimônio físico das instalações desportivas da Vila Olímpica Humberto Calderaro Filho e demais instalações desportivas pertencentes ao governo estadual.

Telefone: (92) 3878-0950

Endereço: Av. Pedro Teixeira, Nº 400 – Dom Pedro

Manaus-AM CEP 69040-000

Horário de Atendimento Administrativo: 08:00 às 17:00

SEUS DIRIGENTES:

  • 1972/1973 – Capitão PM Alfredo Alexandre de Souza – Administração do Estádio de Manaus – ADM;
  • 1973/1975 -José Aldemar dos Santos Maués – Superintendência de Educação Física e Desporto do Estado do Amazonas – SEDAM;
  • 1975/1982 – Dr. Roberto Gesta de Melo – Superintendência de Educação Física e Desporto do Estado do Amazonas – SEDAM;
  • 1983/1986 – Prof. Thales Freire de Verçosa – Superintendência de Educação Física e Desporto do Estado do Amazonas – SEDAM;
  • 1987/1990 – Dr. Roberto Gesta de Melo – Superintendência de Educação Física e Desporto do Estado do Amazonas – SEDAM;
  • 1990 – Governo Amazonino Armando Mendes – Inaugura no dia 25 de março a Fundação Vila Olímpica – Danilo Duarte Mattos Areosa. Seu primeiro dirigente Dr. Marcílio Junqueira;
  • 1991/1994 – Prof. Afonso Celso Brandão Nina – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte Mattos Areosa;
  • 1999/2002 – Radialista Arnaldo dos Santos Andrade – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa;
  • 2003  – Dr.João Mendes da Fonseca Junior – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa no mesmo ano passa a ser o Secretário de Estado da Juventude, Esporte e Lazer;
  • 2003/2006 –  Prof. Walmir Prado de Alencar – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa;
  • 2007/2014 –  Prof. Aldemar Amazonas Affonso – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa;
  • 2014 (atualmente) – Prof. Aly Jorge Almeida – Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Mattos Areosa.

 

Sobre o diretor-presidente

 

IMG-20150819-WA0012 - Cópia

O professor Aly Jorge Almeida, atual diretor-presidente da Fundação Vila Olímpica de Manaus Danilo Duarte de Mattos Areosa (FVO) é, até hoje, o único técnico amazonense a participar de uma Olimpíada. É um dos fundadores do Conselho Técnico da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) e tem toda uma história recheada de conquistas junto à natação brasileira, que começaram em 1978 e tiveram o ponto ápice durante 12 anos, período em que foi técnico da seleção nacional em competições como sul-americanos, pan-americanos, mundiais e Olimpíada.

Foi treinador do atleta Eduardo Picininni, nos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992. Atua também há quase 40 anos como professor de Educação Física do Instituto Federal do Amazonas (Ifam)

Em 1986, Aly Almeida começou a preparar sua formação olímpica, com uma oportunidade por meio de um projeto da Kibon que financiava estudos e campeonatos fora da cidade, tanto para o professor quanto para Picininni. Nessa época, Aly iniciou os estudos em Fisiologia com o médico deportólogo Juan Carlos Mazza.

Em seguida implantou uma programação baseada em exames e rotinas de preparação do ciclo olímpico do nadador, melhorando o sistema cardiorrespiratório, oxigenação no cérebro, queimando gordura e aumentando a intensidade na piscina.

Em 1991, foi convocado oficialmente pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) para ir a Barcelona.

 

Início

O início no esporte foi em 1962, na natação do Atlético Rio Negro Clube, com o professor Valdir de Oliveira, ao dez anos de idade.

Graduou-se em educação física e começou a trabalhar como treinador de natação. Formou grandes campeões pela Aquática Manauara.

Também atuou no jiu-jítsu e foi um dos fundadores da federação da modalidade.

Aly Almeida é um dos poucos treinadores com diploma Olímpico. Fruto de um trabalho realizado na piscina do Parque Aquático Júlio Delamare, no Rio de Janeiro, no qual quebrou cinco recordes brasileiros, em uma só competição, o atual gestor da FVO foi escolhido o melhor treinador do Brasil pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

Como foi o único treinador a quebrar um maior número recorde e foi escolhido o melhor, acabou inserido no projeto de ciclo olímpico da Kibon. Aprendeu a trabalhar com ácido lático (ligado a fisiologia do exercício) e passaou quatro anos na Argentina, acompanhado dos melhores treinadores e nadadores do Brasil, à época.

Antes de chegar a Barcelona (1992), Aly Almeida e Picininni participaram de competições importantes com a Copa Latina (na França) e o Sul-Americano de Natação, no qual quebraram quatro recordes, além dos Jogos Pan-Americanos.

O índice olímpico foi conquistado em Cuba, no ano de 1991.

Para os disputar as Olimpíadas em Barcelona, a dupla fez um período de adaptação no Arizona (EUA). A seleção brasileiro chegou aos Jogos com nove nadadores e Gustavo Borges foi o único medalhista (prata nos 100 metros livre). Os demais chegaram às finais e semifinais. Eduardo Piccinini terminou na sétima colocação da Série B.

Esses resultados representaram a melhor participação do Brasil em uma Olimpíada, de todos os tempos.

Picininni chegou a ser convocado para uma segunda Olimpíada, mas optou por estudar nos Estados Unidos, onde mora (é empresário) até os dias atuais.

 

Diretor-presidente e a FVO

Aly Almeida está à frente da Fundação Vila Olímpica (FVO) desde o dia 4 de julho de 2014, a convite do governador José Melo.

Entre as principais conquistas no período da gestão de Almeida está a reforma da pista de atletismo da Vila Olímpica, que foi entregue ao público no dia 8 de maio.

A reconstrução da pista ficou parada por quase três anos, e foi entregue pronta na nova gestão, em 55 dias.

O público voltou a prestigiar a Vila Olímpica e primeiro semestre de 2015 foi fechado com a presença 22 mil pessoas no complexo esportivo.

A reforma do kartódromo é executada por etapas, em parceria com a Associação de Kart do Amazonas e a Liga Amazonense de Motovelocidade, e já contabilizou um público superior a mil pessoas, a cada etapa das competições.

As quadras são cedidas gratuitamente para treinos e competições como judô, vôlei, futsal, handebol.

Do total de esportistas e atletas atendidos, 3,5 mil atletas são oriundos de 11 federações desportivas do Amazonas. Os demais, cerca 1,5 mil esportistas, são alunos das escolas de iniciação desportiva da FVO, de 15 modalidades distintas.

A FVO promove a melhor qualidade de vida da população, atendendo gratuitamente a 948 praticantes de modalidades como a ginástica funcional e caminhada orientada, incluindo o desporto comunitário que visa suprir a demanda de escolas públicas que não possuem quadras poliesportivas para a prática da educação física.

Seguindo diretrizes do governador José Melo, de otimizar recursos e ser criativo na definição de ações que reduzam custos, Aly Almeida também buscou parcerias para promover melhorias na Vila Olímpica, como a troca da iluminação do Complexo Vila Olímpica, que era a mesma desde sua inauguração em 1991. Foram instaladas lâmpadas do tipo LED.

A FVO também firmou importante parceria com a Polícia Militar do Amazonas no início deste ano, que utiliza o kartódromo para promover o Curso de Formação de Condutores para Praças e Oficiais durante a semana, sem prejuízo às atividades do kart e da motovelocidade, que ocorrem aos sábados e domingos.

Em contrapartida, a Vila recebe policiamento ostensivo com maior frequência nos horários de pico de atividades no local, sem onerar o erário.

Em julho de 2015 deu-se início à reformar do parque aquático e o projeto de revitalização prevê também melhorias nas instalações do hotel e do restaurante, além da construção dos ginásios de luta e de ginástica.